Os poderes do Ki

por Helton dos Santos

 

download

Son Goku com seu filho Son Gohan, ainda criança, no colo.

Quem curtia ver desenhos animados japoneses invariavelmente viu alguns personagens realizando façanhas incríveis com o poder do ‘Ki’. Em Dragon Ball os personagens davam muita importância à esta ‘fonte de energia’, que era até mesmo possível de quantificar e assim mostrar quão poderoso um personagem era. Son Goku e seu filho Son Gohan tinham os maiores Ki do universo, embora de vez em quando aparecesse algum vilão com um Ki ainda maior, querendo se testar contra os herois, para descobrir quem era O MAIS forte.

Em muitos games o Ki também é importante, a exemplo de Street Fighter, onde permite que diversos personagens usem ataques especiais, como o Hadouken, uma bola de fogo que pode ser lançada pelas mãos e atinge o adversário de longe, machucando-o como o mais forte dos socos. Conceitos parecidos com o Ki também aparecem por diversas obras de ficção, como a Força em Star Wars e o Cosmo em Saint Seya, entre outros.

Por conta de tudo isto, muitos escutam com ceticismo quando professores e praticantes de Artes Marciais falam sobre o Ki, um conceito que de fato existe e e é usado nas Artes Marciais de diversos países, especialmente Japão e China (onde é chamado de Qi ou Chi). Afinal, as pessoas ligam o Ki com a capacidade de soltar bolas de fogo pela mão, e ninguém realmente acredita que um budoka real possa fazer isso, certo? (CERTO??). Mas então, o que realmente é o Ki?

Ki é ar… Mais especificamente, Ki é respiração. “Ora, mas discute-se a natureza do Ki há séculos, quem é você para dar uma resposta assim, tão incisiva, e do nada?”. Bem, meu blog não pretende dar respostas: tratam-se de textos resultantes de meus estudos, de meu entendimento sobre diversos assuntos relacionados ao Budô. É perfeitamente normal que você não concorde com esta definição que dou. Ela representa meu ponto de vista, sob uma ótica bem prática deste conceito. Além disso, mesmo com esta conceituação que apresento, o Ki ainda pode ser visto e ter muitos outros significados, que nem precisam se contradizer. O fato é que acredito que seria impossível dar uma resposta cabal para esta pergunta!

Primeiramente temos que pensar em que tipo de visão queremos tem sobre o assunto. Sou um homem de crenças. Acredito na existência de seres espirituais, de Deuses e Demônios, em diversos aspectos e formas. Mas qual é minha crença, como acredito e o que faço com ela é de cunho pessoal. Acredito que independente de a pessoa ser muçulmana, budista ou pentecostal, sua crença religiosa deve ser algo interno, que não deve interferir na vida social além do minimo possível. Por exemplo, se sua religião te proíbe de beber qualquer bebida alcoólica, não beba. Mas não tente impedir pessoas que não seguem a mesma religião que você de fazê-lo. Particularmente acredito em muitas coisas, mas são crenças pessoais, não vou impor elas a você. Isto não me trará nada. No dia a dia, na convivência diária, quando pouco me importa o que você acredita ou deixa de acreditar, a não ser que o assunto mude para religião (e ao contrário do ditado popular, acho que religião se discute sim, e gosto muito de conversar sobre isto!), vou conversar em termos práticos, empíricos e até mesmo científicos. Não se acredita em ciência, se sabe ou não. A visão científica é a que predomina no mundo atual, e ela não admite crenças, achismos, etc. Assim sendo, abrindo uma pequena exceção apenas para exemplificar, eu ACREDITO em reencarnação, mas não posso afirmar que é REAL! Cientificamente não existe nenhuma prova disto.

Assim é com o Ki. Muitas pessoas acreditam que é possível realizar verdadeiros milagres com o uso do Ki, mas nunca foi provado ou observado nada. Não falo das questões filosóficas do Ki, das ideias que existem acerca deste conceito, e que permitem meditações, contemplações, desenvolvimento de raciocínios elevados, etc. Falo de pessoas que dizem que com o Ki é possível realizar atos fisicamente impossíveis. Digamos, para ser bem esdrúxulos, voar (aposto que pensou em Dragon Ball agora! Rs).

Claro, se uma pessoa acredita que é possível voar usando o Ki, tudo bem. É uma crença pessoal. Uns acreditam que Maomé é o Profeta; Uns que o que chamamos de realidade é apenas uma Ilusão a ser transposta; Outros que existem divindades habitando a natureza que podem ser acessadas por certos ritos e cantos; e tem este cara que acredita, entre outras coisas, que sabendo-se controlar o fluxo de Ki da maneira correta, é possível voar. Até aí tudo bem…
Pode ser que este cara fale sobre isso com outras pessoas que compartilhem esta crença.
Continua tudo bem.
Pode ser que este cara faça outros acreditarem que se pularem de um prédio estão prontas para voar/flutuar (ou que ele mesmo acredite nisso), ou pode ser que este cara diga que pode ensinar isto para as pessoas, mesmo sem dar provas, e cobre uma fortuna de seus alunos…
E ai temos um problema!

Se eu acredito que posso voar, ficar invisível, soltar bolas de fogo pela mão e curar doentes pelo Ki, ninguém tem nada a ver com isto. Mas se eu faço uma pessoa abandonar um tratamento médico para se tratar apenas com meu Ki, e não dou provas (CIENTIFICAS, testemunhos não valem NADA!!!!) de que isto funciona, sou um charlatão, e um criminoso. E se funciona, tenho que ser capaz de provar. Se não sou capaz de provar, até pode ter seu valor, mas como crença, como algo subjetivo. Veja o Reiki, por exemplo. Eu, particularmente, acho muito benéfico para quem pratica. Até gostaria de ser Iniciado, de verdade. Mas não existem provas de que funciona. De vez em quando empurram algum estudo querendo o validar, mas até agora não vi nenhum que tenha rigor cientifico real. Mesmo assim, acho que o Reiki faz bem, ajuda de alguma forma, que seja com pensamentos positivos, com conforto, com a atenção que se recebe em uma sessão. Só que se uma pessoa cobra uma fortuna por uma aplicação, acho que ela, no minimo, está confundindo as coisas. Acredito no potencial de desenvolvimento pessoal do Reiki, assim como o Aikidô pode promover um desenvolvimento pessoal – caminhos diferentes. Há outros caminhos que podem promover o desenvolvimento pessoal, como por exemplo quase todas as religiões que existem…

Sendo assim, se você acredita que o Ki é capaz de operar milagre, não existirão argumentos para você em contrário. Mas é como uma crença que todos, sempre, irão ver esta sua visão de Ki. Tenho lá minhas crenças sobre o Ki também, mas não é delas que vou falar. São pessoais, afinal… Vou falar sobre um aspecto do Ki na pratica: Respiração.

Vamos começar pela analise do idiograma chinês com o qual se escreve Ki (ou se escrevia, este idiograma foi simplificado no Japão. Aqui segue o original chinês). Ele se escreve assim: 氣, sendo formado pela junção de dois ideogramas: 气, que significa ‘Vapor’, e 米, que significa ‘arroz’. Ou seja, é o vapor que sobe do arroz, quando ele está quente. Claro, é apenas uma imagem associada para se passar um conceito. Mas já dá alguma ideia do significado. No Oriente eles acreditam que existem vários tipos de Ki, mas muitas vezes ele está ligado de alguma forma ao vento, respiração, tempestades, etc. O Ki é visto como uma energia, mas também muito ligado ao ar, de algum modo. Você pode obter Ki dos alimentos que consome, do ar que respira, etc. O fluxo do Ki no seu corpo, se estagnado, pode gerar doenças, por isso deve ser tratado.

Mas nas práticas de artes marciais, o Ki está ligado, via de regra, com a respiração. Especialmente a respiração que utiliza o diafragma, contraindo e expandindo o abdome. O centro do Ki está localizado no Tanden, um ponto pouco abaixo do umbigo, sendo que é de lá, através do enrijecimento do abdome, que o Ki flui pelo corpo. De modo geral, na Medicina Oriental, uma pessoa que seja diagnosticada com o Ki em desequilíbrio, pode ser encaminhada para realizar exercícios de respiração, assim como acupuntura, moxabustão, entre outros. Para correta utilização do Ki nas praticas de Budô, também se exige uma respiração coordenada e correta. Em alguns casos, como no Judô, exalta-se o uso do Kiai, quando se unifica as energias do corpo e do espirito (o músculo e o Ki, ou o movimento de ataque com a respiração). No Karatê, especialmente no Goju-ryu existe uma pratica similar, o Ibuki. Na pratica do Aikidô, uma arte marcial que busca a harmonização do Ki, a respiração adequada, através do Kokyu Ho, é indispensável para a execução correta das técnicas.

MoriheiUeshiba_clip_image004

O-Sensei vocalizando um Kiai. Imagina o poder!

Creio que todos já vivenciaram a seguinte situação: você precisa levar algo pesado de um lugar para outro. Tenta empurrar, mas sua força não dá. Então respira fundo e ao mesmo tempo que solta o ar, gritando, grunhindo, resmungando, seja lá como for, empurra o objeto. E consegue então movê-lo! Esta é a situação mais comum, no meu entendimento, do uso do Ki. Não é nada sobrenatural ou místico. Com o treinamento adequado, pode ser melhorado, aprendendo a soltar o ar da maneira correta, ao invés de segurá-lo, mas é algo ao alcance de todos. Já vivenciei bem isto, uma vez que tive que fazer uma prova física num concurso. Entre os vários testes aplicados, havia a barra, no qual teríamos que fazer, para não ser eliminado, pelo menos duas flexões completas – quanto mais, mais pontos. Eu precisava fazer pelo menos três, para conseguir a pontuação adequada, mas sempre fui muito ruim fazendo barra. Então, depois de fazer as duas necessárias, quase não consegui fazer a terceira. Mas vocalizei um belo Kiai. O aplicador da prova era professor de Judô, o conhecia dos campeonatos e eventos que tinha ido, e esboçou um sorriso. Todos os outros que estavam prestando a prova deram risada da situação inusitada. Mas depois que sai, ouvi comentários como “Se eu não estiver aguentando, vou gritar também!”. Via de regra as pessoas tem medo ou vergonha de gritar, mas é uma boa forma de usar o Ki, de harmonizar a respiração com o esforço. E me permitiu passar neste teste físico.

Sim, levando em conta todos os significados, absorvi o Ki dos alimentos, do Sol, da água e do ar para conseguir usar meu Kiai. O conceito do Ki, como usado no Japão, é muito complexo. Mas entender o Ki como a respiração já nos dá uma ótima ideia do conceito e de sua aplicação. Muitos conceitos do Ki são metafísicos, outros tantos são misticos ou mágicos. Mas há conceituações físicas, práticas, observáveis. E a conceituação como respiração é extremamente conveniente.

Mas algumas pessoas devem estar pensando ainda, decepcionadas, sobre a impossibilidade de voar utilizando o Ki. Pensando no Ki como um conceito filosófico, na verdade podemos sim voar usando-o: Com um Asa-delta ou paraglide, nos apoiaríamos no ‘Ki do Vento’ para voar. Não é o que muitos imaginam, mas é um bom exemplo de como podemos interpretar textos mais filosóficos sobre o Ki. E pensar sobre isto pode nos fazer entender melhor coisas aparentemente esdruxulas que podemos ter lido em algum lugar. Tanto para compreender mensagens, quanto para desmascarar ilusões…

Por exemplo: Quando algum sábio do passado, observando os pássaros, chegou a conclusão que eles voavam através do Ki (é hipotético, nunca li que algum sábio chinês/japonês tenha dito isto, mas faz sentido: eles se apoiam em correntes de ar (‘Ki do vento’), tem ossos ocos e que se enchem de ar (‘Ki do ar’, ‘Ki absorvido pela respiração’), batem as asas transformando a energia obtida dos alimentos em movimento, etc.), e outro sábio disse que fortalecendo o corpo e praticando uma respiração adequada melhoramos nosso fluxo de Ki (isto foi dito por vários médicos e sábios chineses e japoneses), um charlatão ou iludido pode ter juntado os dois, com um pouco de misticismo ou credulidade, e achado que ele poderia desenvolver seu Ki de tal modo que lhe permitisse voar. Ou pelo menos, no caso do charlatão, ele pode ter pensado que esta era uma boa explicação para suas falcatruas. Aliado a truques de prestidigitação, estou pronto para montar uma escola fajuta e cobrar fortunas para ensinar os ‘segredos que permitem a um homem voar livremente’. Nada de paraglide, to falando de Dragon Ball!!

Ki é um assunto que pode ser muito discutido, e pode ser entendido de diversas formas. E um prato cheio para charlatões. Mas dizer que não existe utilizando como argumento que ninguém pode soltar Hadouken na vida real é meio tolo. Acima de tudo o Ki é um conceito cultural do Japão (e da China, surgiu lá, não esqueçam!). Se relaciona a muitas coisas por lá, do vapor que sobe da comida à respiração humana. De alimentos a conceitos espirituais. Mas de todos os significados, o que acredito ser o mais importante é o da respiração adequada e do Kiai. Principalmente para um Budoka!

Leia também:

http://shineitaido.blogspot.com.br/2013/04/ki-e-seu-significado.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Qi

http://asaikarate.com/o-que-e-ki-%E6%B0%97%E3%81%A8%E3%81%AF%E4%BD%95%E3%81%9E%E3%82%84%EF%BC%9F-parte-1/

http://asaikarate.com/o-que-e-ki-parte-2/

http://aoikuwan.com/2011/05/02/os-diferentes-tipos-de-qi/

 

Anúncios

Uma ideia sobre “Os poderes do Ki

  1. Pingback: As grandes escolas do ‘Boxe’ de Okinawa | Budoka da Cuesta

Se expresse sobre isso:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s